Me!

Casal vive harmoniosamente em um casaro no campo. A esposa uma jovem dona de casa, dedicada na restaura艫o do lugar, que tempos atrs sofreu um terrvel incndio; o marido, homem mais velho, busca inspira艫o para escrever seu novo livro. A tranquilidade dos dois testada quando pessoas estranhas iniciam uma peregrina艫o sem fim quele acolhedor ambiente. O casaro virar palco de invases, violncia, guerras e at assassinatos, num caos ininterrupto.

21/02/2018 12:52 Por Felipe Brida
M達e!

tamanho da fonte | Diminuir Aumentar

Mãe! (Mother!). EUA, 2017, 121 min. Drama/Horror. Colorido. Dirigido por Darren Aronofsky.

Ame-o ou deixe-o. Lema número um para o público que assistiu e ao que for assistir à hipnotizante obra-prima do cultuadíssimo diretor Darren Aronofsky, filme complexo, de inúmeras interpretações, causador de incômodos e mil e uma indagações. Fracassou nas bilheterias e foi injustiçado no Oscar e no Globo de Ouro (a rejeição nos Estados Unidos foi tamanha que o filme liderou indicações ao Razzie Awards, o Framboesa de Ouro, entregue aos piores do ano - nas categorias pior filme, direção, atriz para Jennifer Lawrence, roteiro, ator coadjuvante para Javier Bardem e atriz coadjuvante para Michelle Pfeiffer). Perseguição cruel a uma dos trabalhos cinematográficos mais originais e polêmicos dos últimos tempos – diferente dos americanos, os italianos, sempre mais sensatos, o acolheram no Festival de Veneza, onde concorreu ao Leão de Ouro.

Bom, escrever sobre “Mãe!” é um exercício complicado. Nessa altura do campeonato todo mundo já ouviu por aí que ele tem estreitos laços com passagens bíblicas, montado em torno de metáforas, camadas, símbolos e matizes que extrapolam o senso comum. É impossível resenhar este filme sem entrar em detalhes e opiniões aprofundadas. Para não cometer spoiler nem comprometer o conteúdo, se ainda não assistiu não leia o que vem a seguir. Combinado? Vamos lá...

Dos momentos iniciais até o desfecho, “Mãe!” lida com questões sobre a História da Humanidade, da criação do homem e da mulher, a partir da Bíblia, e como as pessoas enxergam o mundo onde vivem. O centro está em um casal, isolado em uma enorme casa no campo, cercado pelo verde, como o Jardim do Éden. Eles não têm nomes, aliás nenhum personagem da história os possui; no roteiro são chamados de “Ele” e “Ela”. De um lado, a jovem, que anda de lá para cá entre os cômodos e cuida do espaço com máxima atenção, enquanto ele é um escritor reservado, em busca de inspirações. A campainha toca, o marido recebe um senhor doente (Ed Harris, envelhecido), depois a mulher dele (Michelle Pfeiffer, sedutora e bem fotografada), em sequência os filhos deste casal, em pé de guerra, e assim vai chegando gente de todo naipe, etnia e idade, até que o lugar é infestado por pessoas desconhecidas. A casa sente as energias, transforma-se, na medida em que o humor da jovem se altera com os novos visitantes, que lá procuram paz, companhia e, acima de tudo, querem ficar ao lado do escritor, venerado por todos. Ela engravida, e a situação foge do controle – nesse antro mortes brutais ocorrem, surgem rituais e conflitos numa explosão atômica de sentidos e tormentos, com o ambiente minuto a minuto sofrendo depredações. Ela enlouquece, e o marido nunca se abala até que um novo incêndio coloca em risco a vida de todos ali dentro. Este é resumão do filme, de cabo a rabo, agora vamos tentar compreender as referências. Em entrevistas, o roteirista e diretor, Aronofsky, ressaltou a ideia por trás dos personagens; Jennifer é Gaia, a Mãe Terra, a Natureza Suprema, suscetível a dor, amor e fúrias, enquanto a casa representa o mundo, espaço de convivência para todos, lugar vivo, que é destruído sem piedade pelos habitantes. Bardem, Ele, é Deus, misericordioso, mas punitivo, que cria Adão e Eva (Harris e Michelle – repare que Ed Harris chega primeiro, e numa cena rápida está com a costela machucada; minutos depois Eva toca a campainha). Ao criar Adão e Eva, Ele faz nascer o riso, a tristeza, a volúpia, a guerra, os pecados; movidos pela curiosidade, Adão e Eva exploram o casarão, caem na tentação do cristal que Ele guarda a sete-chaves (que é a Maçã, da Bíblia) e logo são expulsos; Caim e Abel, os filhos, lutam, um assassina o outro numa briga violenta, trazendo adoradores para a casa. Outro ponto, Gaia engravida de Deus, dá origem ao Messias, o salvador, que, assim como o planeta e a natureza, é destruído por adoradores. Perceba que o filme divide-se em duas partes: a primeira metade, o Antigo Testamento, e da gravidez em diante, segunda parte, o Novo Testamento. Olha só quanta ideia!

Com estas ligações semióticas, o diretor e roteirista Darren Aronofsky investe em uma alegoria vitoriosa: de como a humanidade trata o planeta Terra, e como a natureza revida, além de tocar em temas adjacentes, como religião, ética etc. Gostou? Entendeu assim também? Pois este é um grande exercício de estilo do cineasta, sombrio, ousado, delirante, com drama e suspense psicológico que atinge níveis do gênero horror!

Não podemos nos esquecer que as obras de Aronofsky nunca foram de fácil aceitação ou entendimento (em particular “Fonte da vida”, “Pi” e “Cisne negro”). São desconcertantes, próprias para um público adulto mais cult. Em “Mãe!” propôs nova identidade ao seu cinema autoral, infelizmente rechaçado pela metade do público e pela maioria da crítica, estrangeira e brasileira. Eu me incluo no grupo dos que embarcaram na ideia, e volto a frisar, o resultado é extraordinário! Assista e tire suas conclusões!

Rodado no Canadá, teve orçamento de U$ 33 milhões, rendendo U$ 40 milhões no mundo inteiro, ou seja, fracasso... Como já passou nos cinemas, a oportunidade agora é assisti-lo em DVD ou em Blu-ray, recém-lançado pela Paramount Pictures. Confira, depois do filme, os dois bons especiais (making of) que vem junto. Boa sessão!

 

 

Linha
tamanho da fonte | Diminuir Aumentar
Linha

Sobre o Colunista:

Felipe Brida

Felipe Brida

Jornalista e especialista em Artes Visuais e Intermeios pela Unicamp. Pesquisador na rea de cinema desde 1997. Ministra palestras e minicursos de cinema em faculdades e universidades. Professor de Semitica e Histria da Arte no Imes Catanduva (Instituto Municipal de Ensino Superior de Catanduva) e coordenador do curso tcnico de Arte Dramtica no Senac Catanduva. Redator especial dos sites de cinema E-pipoca e Cineminha (UOL). Apresenta o programa semanal Mais Cinema, na Nova TV Catanduva, e mantm as colunas Filme & Arte, na rede "Dirio da Regio", e Middia Cinema, na Middia Magazine. Escreve para o site Observatrio da Imprensa e para o informativo eletrnico Colunas & Notas. Consultor do Brafft - Brazilian Film Festival of Toronto 2009 e do Expressions of Brazil (Canad). Criador e mantenedor do blog Setor Cinema desde 2003. Como jornalista atuou na rdio Jovem Pan FM Catanduva e no jornal Notcia da Manh. Ex-comentarista de cinema nas rdios Bandeirantes e Globo AM, foi um dos criadores dos sites Go!Cinema (1998-2000), CINEinCAT (2001-2002) e Webcena (2001-2003), e participa como jri em festivais de cinema de todo o pas. Contato: felipebb85@hotmail.com

Linha
Todas as mterias

Efetue seu login

O DVDMagazine mantm voc conectado aos seus amigos e atualizado sobre tudo o que acontece com eles. Compartilhe, comente e convide seus amigos!

E-mail
Senha
Esqueceu sua senha?

Não é cadastrado?

Bem vindo ao DVDMagazine. Ao se cadastrar voc pode compartilhar suas preferncias, comentar ou convidar seus amigos para te "assistir". Cadastre-se j!

Nome Completo
Sexo
Data de Nascimento
E-mail
Senha
Confirme sua Senha
Aceito os Termos de Cadastro