RESENHA CRÍTICA: O Filho de Saul (Saul Fia)

Está em cartaz o filme que todo mundo aponta como o vencedor do próximo Oscar de filme estrangeiro

16/02/2016 06:49 Por Rubens Ewald Filho
RESENHA CRÍTICA: O Filho de Saul (Saul Fia)

tamanho da fonte | Diminuir Aumentar

O Filho de Saul (Saul Fia)

Hungria, 15. 107 min. Direção de Lazlo Nemes.Roteiro de Lazlo e Clara Royer. Com Geza Rohrig, Levente Molnar, Urs Rechn, Todd Charmont, Gerko Farkas, Balazs Farkas.

Está em cartaz finalmente o filme que todo mundo aponta como o vencedor do próximo Oscar de filme estrangeiro, inclusive por dar uma nova visão sobre o tema favorito da Academia (que é o holocausto) confirmado pelos muitos prêmios que foi amealhando pelo mundo começando por Cannes (Grande Prêmio do Júri, critica, mais dois), Globo de Ouro, Chicago, Dallas, Denver, Georgia. Houston, Indiana, críticos de Los Angeles, National Board of Review, Críticos de Nova York, North Texas, Palm Springs, Texas, Sarajevo, Santa Barbara, Seattle, Southwestern, Estocolmo, Washington, Zagreb, Critic´s Choice. Foi finalista na Mostra de São Paulo mas não ganhou.

Há outra razão para o filme ser tão favorito, os rivais são relativamente fracos. O dinamarquês A War, é um drama de guerra no Afeganistão que parece ter vontade de ser filme norte- americano, Cinco Graças, o turco-francês que esta em cartaz, é feminino mas não especialmente notável. Não conheço o filme colombiano Embrance of the Serpent e Theeb da Jordânia é um filme árabe (dos Emirados Árabes) sobre garoto beduíno durante a Primeira Guerra Mundial que faz viagem no deserto para ajudar oficial inglês em missão secreta. Ou seja, o nosso Que Horas ela Volta? bem podia e merecia dar um fôlego nesta lista tão indigesta.

É preciso prevenir o espectador apenas curioso que O Filho de Saul é um difícil e sufocante. E na sessão que assisti houve os que saíram no meio. Tem se falado que o filme foi rodado em uma proporção quase quadrada. Na verdade, não é bem assim. O formato é o usado pelo cinema até a virada dos anos 1950 quando entra o Scope e o Panorâmico. Então a história que se passa em 1944, se tivesse sida contada naquela época teria sido nessa proporção (o mais curioso é que o filme sofre de um recurso que me aflige é contar toda a história pelo ponto de vista de uma nuca. Ou seja, segue, melhor dizendo persegue por trás , o protagonista que mais obscurece a imagem de tal maneira que quase nunca vemos o que realmente está acontecendo. Ou seja, ela cobre a visão das vitimas que foram mortas, estão sendo agora descartadas, dificulta a compreensão. Mas é bom para o ator que é um escritor amador e mantém a mesma expressão trágica todo o filme).

Enfim, a dificuldade de acontecer o que está sucedendo é parte da proposta do diretor estreante, que elege como protagonista o Saul Auslander, que tem a macabra missão de mesmo sendo prisioneiro de campo de concentração de Auschwitz, 1944, com data marcada para morrer, tem que ajudar os nazistas a administrar os recém chegados encaminhando-os para o banho da morte. Só que uma das vitimas, que custou a morrer, é um rapazinho que Saul insiste que é seu filho e será mistério não resolvido, já que varias vezes é dito que ele não teria filho. Na verdade, essa não é a questão, porque ele ficou obcecado em honrar essa vitima e procura obsessivamente a ajuda de um rabino que possa lhe dar o banho ritual e rezar a prece que lhe daria paz e redenção. E então caminha de um lugar para outro, humilhado pelos oficiais, incompreendido pelos colegas, desafiando a morte que de qualquer forma será inevitável. Há até uma tentativa de revolta e rebelião, mesmo fuga, em que ele vai se envolver.

Talvez porque o espectador fique meio no escuro, sem muitas explicações, é que o filme impressiona mais, até pela ausência de muitas explicações inclusive até o final. E se diferencie tanto de outros trabalhos sobre o mesmo tema. E não dá o espectador o menor respiro, ou momento de resgate, ou concessão ao heroísmo. A tragédia é aquela e pronto. O espectador vira uma testemunha consciente de um ato vil que o diretor resgata de uma possível banalidade. E transforma num ato de fé.

Linha
tamanho da fonte | Diminuir Aumentar
Linha

Sobre o Colunista:

Rubens Ewald Filho

Rubens Ewald Filho

Rubens Ewald Filho é jornalista formado pela Universidade Católica de Santos (UniSantos), além de ser o mais conhecido e um dos mais respeitados críticos de cinema brasileiro. Trabalhou nos maiores veículos comunicação do país, entre eles Rede Globo, SBT, Rede Record, TV Cultura, revista Veja e Folha de São Paulo, além de HBO, Telecine e TNT, onde comenta as entregas do Oscar (que comenta desde a década de 1980). Seus guias impressos anuais são tidos como a melhor referência em língua portuguesa sobre a sétima arte. Rubens já assistiu a mais de 30 mil filmes entre longas e curta-metragens e é sempre requisitado para falar dos indicados na época da premiação do Oscar. Ele conta ser um dos maiores fãs da atriz Debbie Reynolds, tendo uma coleção particular dos filmes em que ela participou. Fez participações em filmes brasileiros como ator e escreveu diversos roteiros para minisséries, incluindo as duas adaptações de “Éramos Seis” de Maria José Dupré. Ainda criança, começou a escrever em um caderno os filmes que via. Ali, colocava, além do título, nomes dos atores, diretor, diretor de fotografia, roteirista e outras informações. Rubens considera seu trabalho mais importante o “Dicionário de Cineastas”, editado pela primeira vez em 1977 e agora revisado e atualizado, continuando a ser o único de seu gênero no Brasil.

Linha
Todas as máterias

Efetue seu login

O DVDMagazine mantém você conectado aos seus amigos e atualizado sobre tudo o que acontece com eles. Compartilhe, comente e convide seus amigos!

E-mail
Senha
Esqueceu sua senha?

Não é cadastrado?

Bem vindo ao DVDMagazine. Ao se cadastrar você pode compartilhar suas preferências, comentar ou convidar seus amigos para te "assistir". Cadastre-se já!

Nome Completo
Sexo
Data de Nascimento
E-mail
Senha
Confirme sua Senha
Aceito os Termos de Cadastro